O Abraço

fevereiro 26, 2010

Quando alguém querido se vai, até daqui a pouco ou até mais, fica em nós uma sensação de: (Não expressei todo o meu amor). Mesmo que se tenha falado muitas vezes: (Eu te Amo). Fica uma vontade de abraçar. Um abraço forte, sincero, daqueles que puxa pro peito e aconchega com carinho, com toda a força do amor que se sente. Daqueles que dispensa palavras, porque palavras, o vento leva, e podem até não ser verdadeiras. Mas a emoção de um abraço sincero, preenche o peito, chega até a alma, e não fica nem um espaço vazio, nos cobrando a falta de não termos expressado nossa emoção em relação a outra pessoa.
O abraço forte, puxado no peito, é sempre expressão verdadeira, e nos aquece pra sempre. Mesmo depois de muito tempo, ele traz à mente, a emoção sentida no momento do ato, e a sensação prazerosa de saber que a outra pessoa conhecia o seu amor por ela. E mais ainda, a impressão que o momento voltou, e a pessoa amada está ali, juntinho do seu peito, pra sempre em você. E uma certeza, a pessoa em questão, por se saber amada, vai levar com ela, o seu amor, por onde for.
À você que ama alguém profundamente; Abrace, abrace forte, puxe no peito com toda a emoção do seu amor. Faça isso hoje, agora.
Amanhã pode ser tarde demais, e te deixar com um buraco no peito que nunca deixará de incomodar.
Saudade Fraterna.

“O tempo para os que amam, é eternidade”.
(William Shakespeare)

Fonte da Figura: ysoldacabral.blogspot.com

Anúncios

Angustia do Ser

fevereiro 14, 2010

 

Ah! Vida, surpreenda-me, faça-me um banquete, mostra-me que de fato existe uma força superior que rege toda essa magnífica beleza que me regala, com o azul estupendo desse céu infinito que se une ao mar na linha do horizonte, tão harmoniosos que parecem unos.
Se o Homem é seu próprio Senhor como afirma Sartre.
Porque não consegue calar essa ânsia de ser como o céu e o mar?
Uno, completo, saciado, harmonioso e feliz?
Sem estar sempre a sentir esse pressentimento vago de algo desconhecido que possa trazer-lhe num repente a almejada completude.
Ou será vida, que o máximo que podemos ter é uma alma sensível para absorver toda a perfeição do Universo, e agradecer tamanho banquete de beleza? (Pois este é o único que nos será ofertado); e chorar nossa própria incompletude, essa pequenez que percebemos ao nos deslumbrarmos com os espetáculos naturais, e desejarmos ser mais.
Se acreditarmos que não existe uma força maior, que tudo rege e supre, nos sentiremos ainda mais pobres, ínfimos e à revelia, e aí sim “A poeirinha da poeira”(Nietzs); e não haverá (Vontade de Potência – Nietzs), que nos inspire a prosseguir.
Quero crer, Preciso crer. Ou suportar, será um peso insustentável.

“A angústia é a disposição fundamental que nos coloca perante o nada”.
(Martin Heidegger)

 Fonte das Figuras: www.psicoastro.com

palavra e caneta.tumblr.com  http://www.vamos.art.br


Era Carnaval na Lapa

fevereiro 13, 2010

A rua pululava, a balburdia era tal, que dia ou noite só se distinguiam pela luz que emanavam, ora do sol, ora da lua. No mais, tudo era igual. A música, as buzinas, as fantasias, as cores, as máscaras, os assaltos, os descontroles e exageros abismais. O movimento e a falta de sossego.
Eu da minha janela, a tudo assistia, enquanto minha alma clamava por um recanto isolado em meio à natureza, cercado de muito verde, um gostoso cheiro de terra molhada, e o suave murmurar de um riacho de águas cristalinas. E silêncio, e paz…
E desejei ser como as Andorinhas, que se deslocam por milhares de kilometros, precisando para isso só de suas longas e estreitas asas.
Voando como as andorinhas, cerca de 500km. por dia, sendo tão migratória quanto elas, tendo nascido na primavera e também adorando o sol…
Ah! Eu daria a volta ao mundo muitas vezes, e imitando-as iria de Portugal a África em busca de sol.
E não me importaria de viver apenas oito anos, pois seriam todos plenos de migrar e voar… Livre.

 

“A Liberdade é o maior fruto da auto-suficiência”
(Epícuro)

Fonte da Figura: junior.te.pt


Reminiscências!!!

fevereiro 2, 2010

Amei perdidamente
Apaixonadamente
Um Amor terno e profundo
O Amor mais belo deste mundo.

Vislumbrei do arco íris todas as cores
Vivi intensamente o Amor
Mais bonito de todos os amores
E entreguei a alma em penhor.

Todos os meus melhores sentimentos
Com emoção eu penhorei
Cada um de meus pensamentos
A este Amor eu dediquei.

Toda uma vida eu vivi
Em alguns poucos momentos
O mais lindo Por de sol eu assisti
No mais puro dos encantamentos.

Viajei da mais suave ternura
A mais desvairada paixão
Sorri saciada com brandura
Chorei no orgasmo em explosão.

Conheci a plenitude
Me vi felicidade
De toda esta concretude
Guardo em mim a saudade.

Que comigo seguirá
Por onde eu vá
A lembrança do que ficou
Dizendo: Sempre é mais feliz, quem mais amou!

“Que importa restarem cinzas se a chama foi bela e alta?”
(Mário Quintana)

Fonte da Figura: www.cancaonova.com/…/materias/casal