Polaridade

junho 28, 2010

A polaridade é um fato em todas as coisas, inclusive no Ser humano.
Assim hoje não estou preocupada em passar nenhuma mensagem de auto-ajuda, e sim tentando descobrir uma maneira de atravessar essa barreira às vezes tão consistente que separa os pólos. Positivo/Negativo.
Outra vez aqui, no meu cantinho da inspiração, hoje eu diria que, mais da observação. Sozinha em meio à multidão, em um dia lindíssimo, fico a observar o colorido; O céu esplendidamente azul, o mar sereno como um lago, a fragata branca e dourada, que desliza suave, cheia de gente. Toda a gente de roupas coloridas, azul, vermelho, amarelo. Crianças, velhos, jovens e adultos.
Todos me parecem felizes, alegres, muito ativos, esportivos.
Olho para o verde a minha volta, e vejo que a despeito de colorido o verde está estático, as árvores estão paradas, suas folhas não estão balançando, apesar da deliciosa brisa que está soprando e me trazendo o perfume do mar.
Nesse instante sinto grande afinidade com as árvores, pois também me sinto estática, suspensa em um momento de contemplação de todo esse colorido, pensando como trazê-lo pra dentro de mim. Onde um grande, imenso cinza impera, fazendo um violento contraste com a natureza.
Se eu soubesse como atravessar a barreira da polaridade, talvez toda essa exuberância de cores entrasse em mim. E me revigorasse, e me fizesse feliz.
Acabasse com o cinza, acabasse com a estática e com o desejo quase profano de atravessar a barreira da vida, e descobrir o tudo ou o nada, insondável do outro lado. Ou pelo menos ficar livre do cinza, parado e sempre só, deste lado, que já não apresenta perspectivas.
Peço desculpas pela franqueza da fragilidade humana em sua variação de pólos. Consola-nos saber que amanhã é outro dia.
Hoje não tenho palavras de ajuda para oferecer, mas aceito e agradeço todas que puder receber.

“Se vale à pena viver, e se a morte faz parte da vida,
então, morrer também vale a pena…”
(Immanuel Kant)

“Nada é permanente, senão a mudança”.
(Heráclito)

Fonte das Figuras:
bp0.blogger.com/…/s400/caminho+colorido.bmp
http://www.gringoes.com/images/Caminhocoloridocomdá..
luzdaminhaalma.zip.net/images/espiritujpg.JPG


Farsa

junho 21, 2010

Outro dia uma amiga ao ler minha crônica “Auto-Terapia”, fez-me uma pergunta. Eu estava ansiosa por sua opinião sobre o escrito. Mas a pergunta me fez esquecer todo o resto, e me concentrei nela para poder responder, principalmente para mim mesma, a intrigante questão.
A pergunta foi a seguinte: Você não tem medo de se expor?
Pensei muito a respeito, durante dias. E a crônica de hoje é a resposta.
Penso que, o mundo de hoje é tão cheio de farsas e personagens mascarados, que fica muito difícil de se conhecer a pessoa real escondida atrás da representação do que ela gostaria de ser. E quando se conhece o “Eu” verdadeiro, uma grande decepção mostra que a imagem exibida era falsa e ilusória. Tudo nessa vida é mixto. Penso que a água seja a coisa mais cristalina e transparente desse mundo. No entanto até ela emite sons variados.
Hoje quando acordei e fui tomar banho, me surpreendi ouvindo o barulho da água. E percebi que ela fazia mil barulhos diferentes, conforme o local onde batia ou caia. Na minha cabeça, no meu rosto, no chão, no ralo, e até ao sair do chuveiro, antes mesmo de encontrar qualquer obstáculo, ela emitia um som característico. E todos esses sons, me acalmavam, energizavam, e nenhum era melhor ou pior que o outro, apenas diferentes.
Bem, eu gostaria de ser sempre canção, mas ninguém é sempre só canção. Somos também pranto, ira, dor, tristeza, alegria, paixão, êxtase, e uma infinidades de outras emoções, e cada uma tem o seu som característico. E todos eles são parte da melodia da vida.
Assim cheguei a conclusão que mesmo sendo formados de mil facetas, podemos ser tão transparentes como a água.
Então, não. Não tenho medo de me expor. Acho mais fácil ser eu mesma, do que viver representando um personagem para iludir o mundo, e ser aceita e aplaudida. Dessa forma tenho certeza que, quem me aceitar, estará aceitando o que sou e não o que gostaria que eu fosse, e não serei causa de decepção e desamor pra ninguém.
Portanto, mostre ao mundo o seu eu verdadeiro, e não o que gostaria de ser ou o que gostariam que você fosse.
Viver assim é mais fácil do que viver representando uma farsa. E você tem a certeza que quem te aceitar, está aceitando o que você é de verdade e nunca se decepcionará.
Ver o sol se levantar é magnífico. Mas vê-lo se por é deslumbrante.
Um dia lindo como o de hoje é um banquete pra alma. Mas um dia de temporal tem sua beleza com os raios rasgando o céu.
A beleza está no verdadeiro. Na manifestação do real.
Por isso a Natureza é tão bela.
Seja verdadeiro. Seja real.

“Tenha em mente simplesmente ser autêntico e verdadeiro…”
(Dalai Lama)

Fonte da Figura:
http://www.katgrafix.com/html/images/jester_72_large.jpg


Pensando a Vida

junho 14, 2010

Às vezes a gente olha para algumas pessoas, geralmente pessoas com deficiências; Física, mental ou até mesmo comportamental.E nos arrogamos à presunção de julgar a utilidade da vida de tais pessoas. Logo nos vem o pensamento: Coitado. Isso não é vida. O pobre já morreu e não sabe. Para que uma pessoa assim vive? Só serve pra dar trabalho aos outros. Na verdade pensamos que coitado mesmo é quem tem que cuidar dessas pessoas, e que só descansarão quando enfim elas se forem.
Ledo engano. Na maioria das vezes, são justamente as pessoas que julgamos desnecessárias, que são o pilar que mantêm toda a estrutura em pé. Elas é que estão cuidando das pessoas ao seu redor. Algumas vezes como motor de crescimento pessoal, Outras vezes como o motivo de vida de seus “cuidadores”, outras ainda como alicerce mesmo, de uma estrutura familiar. Essas são apenas algumas, entre outras mil utilidades que não conseguimos perceber, enquanto elas desempenham sua silenciosa missão.
Não raro, depois que elas se vão, toda uma estrutura familiar desaba.
E só então, nós os pretensos juizes, nos damos conta de quão necessárias elas eram. Como sustentavam toda uma estrutura de pessoas ditas “normais” sem deficiências.
E como fizeram seu trabalho belamente. Sem reclamar, sem revolta, sempre com um sorriso no rosto.
Olhando pra este mar bravio e cinzento sob o céu nublado. Ouço ao meu lado, alguém dizer: O mar hoje não presta pra nada. E penso: Sob essa imensidão cinza, muitas vidas palpitam. São os mistérios da vida, que não somos capazes de desvendar. Então não devemos julgar.
O mar hoje está deficiente, mas ainda assim, mil vidas vivem nele, e dele.
Por isso, pense muito antes de fazer qualquer julgamento.
Você pode estar tentando julgar um mistério, que nem mesmo entende.
E pior que isso, pode estar sendo totalmente injusto.

“Quem és Tu que queres julgar, com vista que só alcança um palmo, coisas que estão a mil milhas?”
(Dante Alighieri)

Fonte das Figuras:
aenobre.no.sapo.pt/pesca3.jpg
download.ultradownloads.com.br/wallpaper/4685.
news.bbc.co.uk/…/img/1.jpg


Redescobertas

junho 7, 2010

É impressionante como pequenas coisas nos proporcionam tão grandes alegrias.
No corre corre do cotidiano, com o passar do tempo nos acomodamos com as facilidades que nos proporcionam os self-services e fast-foods da modernidade, e nos esquecemos completamente das Domingueiras da vovó.
Com muita fartura de comida, os grupinhos que se formam, pelos cantos, em conversas variadas, crianças correndo por todo lado, a música (geralmente MPB), ao fundo.
E a vovó toda feliz, vendo suas panelas se esvaziarem, sobre o fogão e uma grande mesa de madeira, onde todos acorrem, estalando os beiços satisfeitos.
A simplicidade da reunião de pessoas queridas.
A satisfação pela aprovação, que se tem, da refeição que teve como principal tempero o amor, Compensa todo o trabalho empenhado e traz uma gratificante sensação de alegria, de felicidade mesmo.
Sabe quem é a pessoa mais feliz da reunião? É a vovó, que teve todo o trabalho para reunir à sua volta as pessoas que ama, e percebeu que todos estavam felizes.
Quando você fizer parte de uma reunião assim. Dê valor ao trabalho que foi desenvolvido ali, e fique feliz. É tudo que o organizador deseja. (Ver todos felizes).
E se quiser se sentir gratificado e ser a pessoa mais feliz da reunião.
Esqueça os self-services e fast-foods, arregasse as mangas e seja a vovó de vez em quando. É muito bom.
Obrigada aos amigos que nos remetem às redescobertas.

“O mais Feliz dos felizes é aquele que faz os outros Felizes”
(Alexandre Dumas)

Fonte da Figura:
http://www.marcosmaia.net/uploaded_images/Casa-de-La…