Impactos

junho 17, 2013

Impacto e Renascimento

Quando a gente sofre um forte impacto, seja ele de vida ou morte; Tipo assim: Você está cheio de vida, esfuziante de alegria, no maior pique. E de repente, fica sabendo que sua vida está por um fio. É um baque e tanto.

E novamente, de repente, você vê que foi só um susto, e sua vida é de novo uma promessa. É outro baque. Dessa vez, positivo, mas ainda assim, um novo impacto. Você tem até medo de acreditar. Nem ousa ficar muito feliz.

Você já estava em um processo e precisa passar a outro. Voltar a viver, com tudo que isso acarreta.

Bem, isso deixa a gente meio que mareado por um tempo. Tipo assim… Hibernando, antes de voltar à vida normal.

Sabe como?

A gente acorda, come e dorme. Mas não sente. Só faz o que tem que fazer, mas falta alguma coisa. A vibração! Acho…

Esse tempo pode ser longo ou curto. É o tempo de cada um.

Até que um dia, a gente acorda de verdade. E sente o calor do sol. E sente que enfim, a vida voltou pra nós. E aí pinta o medo de perder tempo e outra vez se arriscar a ficar sem tempo. Então, a gente quer tudo de uma vez.

Tudo que a gente tinha parado de querer. E o querer que a gente mais quer quando está vivo, é amar!

Porque amar é sentir a vida em cada poro do corpo, em cada célula que faz parte de nós, em cada gota de sangue que percorre nossas veias e em cada partícula da essência que forma nossa alma.

Amar é a pulsão maior da vida. Se amamos não existe o impossível.

E assim, acabamos por superar o impacto da morte, e ao hibernarmos, pensando estarmos indiferentes e insensíveis, percebemos que na verdade existe em nós um amor latente pela vida, que nos acalenta enquanto permanecemos nos fortalecendo para a volta a batalha que é viver… e amar!

 (…) quando tudo parece convergir para o que supomos o nada,

eis que a vida ressurge, triunfante e bela!…

Chico Xavier

Fonte das Figuras: tdeumpoucomais.blogspot.com

http://www.dicasdepresentes.com

Anúncios